PUBLICIDADE

Maridos Imaturos: Destruidores de Casamento

O que os tais maridos imaturos não entendem é que amar a esposa tem a ver com algo muito além do discurso. Dizer que ama é relativamente fácil. Se iludem pensando que o discurso desacompanhado da prática cura as feridas que eles mesmos provocam na alma de suas esposas.
Pr. Marco Cicco

Pr. Marco Cicco

Maridos_Imaturos
Compartilhe

A Igreja de Cristo sofre a cada dia por conta dos membros que constituem o corpo da mesma. É fato notório que há uma deficiência grande no caráter da maioria dos cristãos, e essa nossa geração, pessimamente influenciada por valores superficiais, trazem ao ambiente da igreja problemas cada vez mais insolúveis.

Nos últimos meses, no ambiente de aconselhamento pastoral, uma realidade iminente surge e salta aos meus olhos. Reflexo de nossos dias e com um efeito devastador: maridos imaturos, que não entendem suas responsabilidades dentro do lar cristão, e que por consequência disso, tem levado muitos casamentos ao fim.
Quando falo sobre imaturidade, falo acerca de deformações na estrutura emocional dos maridos, que usam de fugas utópicas e emocionais para exigir seus “direitos” dentro do casamento, mas que fogem dos “deveres”, terceirizando para as suas esposas responsabilidades que não competem exclusivamente a elas.
Tragicamente, muitos se apoiam na Bíblia para validar essa postura infantil. Exigem a “submissão” incondicional da mulher, tratam a esposa como subserviente, esmagam o sentimento, ignoram o respeito e ainda exigem o que entendem que é correto.
Não estou dizendo que um erro justifica o outro, ou incentivando as esposas a não respeitarem seus maridos. Mas não faz o menor sentido para um marido que se diz cristão agir com tamanha incoerência. O que podemos ler na Bíblia a respeito disso:

“Maridos, amem suas mulheres, assim como Cristo amou a igreja e entregou-se a si mesmo por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra, e apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável. Da mesma forma, os maridos devem amar as suas mulheres como a seus próprios corpos. Quem ama sua mulher, ama a si mesmo. Além do mais, ninguém jamais odiou o seu próprio corpo, antes o alimenta e dele cuida, como também Cristo faz com a igreja” (Efésios 5:25-29)

Quando leio textos como esse, e vejo o triste cenário das situações de nossos dias, concluo: ou os maridos “cristãos” não leram esse texto, ou leram e não entenderam absolutamente nada. E é sobre esse texto que pretendo fazer algumas considerações:
Amar como Cristo amou e se entregou: Literalmente, devemos dar a vida pelas nossas esposas. Se em alguma situação de extremidade, se houvesse uma decisão de quem deveria morrer, se é o marido ou a esposa, o marido deveria morrer pela esposa. Já escutei muitos “maridos cristãos” dizendo “eu morreria pela minha esposa”, e acho lindo isso.

Tragicamente, estes que dizem que morreriam, são aqueles que não conseguem matar seus egos na hora de pedir desculpa pelo erro, não “matam” sua personalidade deformada quando tratam as esposas como meras serviçais, não “matam” sua arrogância na hora de querer impor as suas razões. Não “matam” suas idiotices pessoais infantis para trazer sustento a suas casas. Dar a vida pela esposa vai muito além do que morrer por ela. Compreende ser transformado segundo a semelhança do caráter de Cristo para que santifique a esposa, para que a trate com dignidade.
Dar a vida pela esposa é matar a preguiça de ir buscar um sustento digno para ajudar as finanças da família. É ser homem suficiente de encarar os desafios da vida com dignidade e coerência para não sobrecarregar a esposa (emocionalmente, financeiramente, espiritualmente, etc.).

O que os tais maridos imaturos não entendem é que amar a esposa tem a ver com algo muito além do discurso. Dizer que ama é relativamente fácil. Se iludem pensando que o discurso desacompanhado da prática cura as feridas que eles mesmos provocam na alma de suas esposas.
A incoerência é definitivamente a maior das características destes maridos.
Usam o texto de efésios e alguns outros para exigir que suas respectivas esposas os respeitem inquestionavelmente, mas são péssimos para cumprir o que a Bíblia ensina acerca de suas posturas, e desonestos, pois cobram da esposa o padrão bíblico que eles mesmo não seguem. E o número de divórcios por conta dessa imaturidade aumenta a cada dia. Vidas tem sido devastadas por causa deste tipo de comportamento.

Então hoje, peço encarecidamente e oro, para que se você está passando ou praticando estes erros, que você realmente se converta. Não jogue seu casamento no lixo por conta de suas deformidades. Arrependa-se antes que seja tarde demais. Antes que não tenha mais nada a ser feito. Não caminhe em direção a esse abismo.
Ore, peça perdão a Deus, peça perdão a sua esposa. Corrija os caminhos, condutas, posicionamentos e tudo o mais que for necessário. Ame a sua esposa além das palavras, primordialmente, ame sua esposa com atitudes. Lute pelo seu casamento, que é a primeira missão que Cristo dá ao homem. Ainda que você tenha que “matar” o seu “eu”.
Pense nisso!
No amor de Cristo!

Pr. Marco Cicco
Fonte: http://www.xn--evangelhoinegocivel-5ub.com/2018/12/maridos-imaturos-destruidores-de.html?m=1


Compartilhe

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Pr. Marco Cicco

Pr. Marco Cicco

Colunista

Criador do Ministério Evangelho Inegociável, Pastor na Igreja Anglicana Reformada do Brasil, Professor no Seminário Ryle de Teologia (Disciplinas: Espiritualidade Cristã e Liderança Cristã), Bacharel em Ciências Contábeis, Bacharel em Teologia, MBA em Gestão de Risco e Compliance, MBA em Gestão Tributária, MBA em Gestão e Liderança de Equipes com Habilitação em Docência no Ensino Superior, Extensões Universitárias em Negócios, Custo e Administração Financeira.

Qual a sua opinião sobre este assunto?

Deixe o seu comentário.

PUBLICIDADE

Posts Relacionados

Hit Gospel X Escrituras

Não consigo ficar inerte ante essa situação decadente nos púlpitos e “louvores”. Precisamos urgentemente de cristãos sérios, que escrevam canções que tenham o firme fundamento na palavra, e não somente pop star’s que usam letras mercadológicas.

O Pai Nosso como Esboço

Alguns a transformaram numa espécie de mantra que deve ser repetido dezenas de vezes para a obtenção de algum benefício espiritual; outros, não muito diferentes dos primeiros, acreditam que é um conjunto de frases mágicas que podem produzir algum bem àqueles que as pronunciam.

Selfies da Caridade

Bom, fazer a obra sem observar os preceitos do Senhor Jesus, de fato, tem validade? Se fins justificam os meios, é do Evangelho que extraímos esses valores?